inova.jor

inova.jor

O que ganhamos com espaços inteligentes

Espaços inteligentes: Análise de vídeo melhora o tráfego nas cidades / Philipp Beckers
Análise de vídeo melhora o tráfego nas cidades / Philipp Beckers

Soluções de internet das coisas (IoT, na sigla em inglês), inteligência artificial e softwares de análise de dados permitem às organizações reunirem, visualizarem e combinarem dados como nunca vimos antes.

Sou extremamente otimista quando o assunto é espaços inteligentes. Muitas empresas, cidades e estados já reconhecem o valor de usar a tecnologia a seu favor, mesmo que ainda exista um caminho de descobertas a seguir.

Os benefícios dos smart spaces vão muito além da segurança. Eles conduzem operações mais eficientes, reduzem o impacto ambiental, e fornecem uma experiência mais responsiva. 

Análise de vídeo

Claudio Tancredi, da Hitachi Vantara / Divulgação

Aqui na Hitachi Vantara, contamos com a Lumada Video Insights, uma plataforma de vídeo inteligente que processa dados por meio de uma combinação de machine learning (aprendizado de máquina) e uma visão computadorizada que reúne diversas fontes e insights de dados.

Por meio dessa solução, é possível auxiliar no gerenciamento de operações e acompanhar as atividades em tempo real.

Os benefícios do uso de tecnologias que utilizam o vídeo são diversos. Dados orientados por abordagens baseadas em análise de vídeo, por exemplo, podem:

  • ajudar a melhorar o fluxo de tráfego nas cidades,
  • aumentar a capacidade de eficiência, e
  • auxiliar companhias aéreas a melhorar o desempenho de tráfego aéreo e de passageiros nos terminais de aeroportos.

De acordo com pesquisa do Market and Markets, o mercado global de espaços inteligentes crescerá de US$ 8,5 bilhões em 2019 para US$ 19,9 bilhões até 2024.

Dessa forma, outros fatores que contribuem para esse aumento incluem a relação custo-benefício de sensores de IoT, maior capacidade de rede e computação de ponta, além de avanços da machine learning e da segurança de proteção dos dados.

Gartner também considera os smart spaces uma das principais tendências tecnológicas estratégias para este ano.

Na vida moderna, quando analisamos onde e como gastamos o nosso tempo, percebemos que “perdemos” muitas horas em tarefas que poderiam ser feitas de forma autônoma, se todos vivessem e trabalhassem em espaços interconectados. 

Por fim, melhorar a eficiência da infraestrutura, a prestação de serviços, as operações comerciais e o ambiente físico pode ter impacto significativo sobre a experiência humana e a sustentabilidade da nossa sociedade.

  • Claudio Tancredi é country manager da Hitachi Vantara Brasil

Publicações relacionadas

A startup argentina Nuvem Shop mira no e-commerce para empreendedor por necessidade do Brasil / Divulgação

Startups apostam no crescimento do comércio eletrônico

O comércio eletrônico tem crescido a passos largos no País. Com a crise econômica, empreendedores por necessidade têm apostado na internet para fazer negócios. Somente em 2015, 39,1 milhões de pessoas compraram online, totalizando 106,5 milhões de pedidos, segundo pesquisa da Ebit. Os valores do ano passado ainda não foram divulgados, mas a estimativa[…]

Leia mais »
O robô Baxter, da Rethink Robotics, é treinado, no lugar de ser programado / Divulgação/Rethink Robotics

O que falta para o Brasil ingressar na era da indústria 4.0

As fábricas brasileiras precisam ingressar na quarta fase da Revolução Industrial, a chamada indústria 4.0, para conseguir disputar de igual para igual o mercado internacional. Essa é a conclusão do evento Sasi 4.0, realizado hoje (30/9) na Universidade de São Paulo (USP), que contou com especialistas de diversos setores em debates sobre a aplicabilidade[…]

Leia mais »