inova.jor

inova.jor

Como robôs podem responder às demandas da covid-19

Robôs: Companhias aéreas foram bastante afetadas pela covid-19 / Renato Cruz/inova.jor
Companhias aéreas foram bastante afetadas pela covid-19 / Renato Cruz/inova.jor

À medida que a pandemia provocada pelo coronavírus avança, empresas, governos e organizações do mundo todo se unem para estudar medidas de mitigação dos problemas de saúde, sociais e econômicos.

A tecnologia é empregada para reduzir impactos em todas as esferas e permitir que atividades não cessem ou mesmo que se ganhe mais agilidade neste momento da história em que a economia de tempo é fundamental.

O Robotic Process Automation (RPA) tem exercido um papel crucial para empresas de diversos setores.

Vou listar alguns exemplos:

Saúde

Graciela Arguelles, da UiPath/ Divulgação

Com o crescimento da pandemia, os Centros de Controle de Doenças (CDCs) de alguns países aprovaram que outras organizações, como laboratórios e hospitais, passassem a realizar os testes para a doença.

Para evitar a formação de longas filas de espera para realização dos testes, um dos maiores hospitais dos Estados Unidos montou e implantou um robô assistido que coleta os dados do paciente, verifica se ele já é um paciente no EMR (sigla em inglês para prontuário médico eletrônico) por meio de um ambiente Citrix, registra os resultados do teste e os envia ao CDC.

Enquanto um humano leva de dois a três minutos para executar, o robô executa a ação em 14 a 16 segundos.

Isso significa uma economia de oito a nove minutos por paciente – o que é muito significativo uma vez que estamos falando em milhares de testes para serem processados simultaneamente, manutenção dos trabalhadores em tarefas realmente essenciais e estratégicas para o momento e redução importante nos atrasos hospitalares.

Recrutamento

Outro exemplo muito importante na área da saúde é o uso do RPA para recrutamento em tempo recorde.

Também nos EUA, quase 50 mil voluntários (profissionais de saúde aposentados) se inscreveram para atuar durante a crise, atendendo a um pedido do governo.

A pré-seleção (por exemplo, credenciais, registros criminais) é uma parte crucial do processo de inscrição e a integração deve ocorrer rapidamente.

Robôs de software foram criados especialmente para executar o processo de triagem e verificação de antecedentes, fazer upload de dados do aplicativo no sistema de RH e notificar os departamentos e terceiros de que a pessoa está pronta para ser integrada.

Esses departamentos começam a fornecer passes de segurança, material de treinamento etc.

Os robôs também estão sendo usados ​​para designar voluntários para trabalhos diferentes e até fornecer um relatório diário às unidades de crise para supervisão.

Varejo

O brusco aumento de pedidos online levou um dos maiores varejistas de e-commerce dos EUA a contratar mais de 100 mil pessoas em tempo integral e/ou parcial para posições de estoque e entrega.

De 800 mil a 1 milhão de candidatos precisaram passar por uma triagem em tempo recorde, o que só foi possível com o uso de 10 robôs autônomos para ajudar no processo de seleção.

Também para conseguir dar conta de um acréscimo de 10 vezes no seu número de pedidos, uma empresa chinesa de desinfetante de mãos investiu em 20 robôs autônomos que processam 16 mil pedidos diariamente.

Companhias aéreas

Não há dúvida de que este foi um dos setores mais seriamente afetados pela covid-19.

Os contact centers de empresas do setor sofreram forte sobrecarga de pedidos de cancelamento de viagens.

Nos EUA, para que as solicitações fossem atendidas da forma mais rápida, eficiente e segura possível, uma companhia aérea também investiu em RPA e, com isso os agentes de viagem conseguem processar os dados dos clientes com mais agilidade.

Esses são alguns dos muitos exemplos em que o RPA vem ajudando a cuidar da saúde das pessoas, apoiar empresas a dar respostas rápidas a clientes e permitir que continuemos nossa jornada até sairmos desse quadro crítico e entrarmos num novo patamar mundial.

  • Graciela Arguelles é vice-presidente para a América Latina da UiPath

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Fintechs, insurtechs e proptechs crescem durante a pandemia. / Unsplash

Fintechs, insurtechs e proptechs reinventam mercados

Embora a pandemia não tenha diminuído e algumas restrições se mantenham, cada vez mais pessoas e organizações precisam de soluções remotas que atendam suas necessidades. Nesse contexto, o interesse está crescendo em uma série de empresas que possuem o digital em sua essência e fornecem serviços de maneira totalmente virtual.[…]

Leia mais »
Yihyun Lim, do MIT, falou sobre tendências como internet das coisas emocionais e biodesign / Renato Cruz/inova.jor

Prepare-se para a internet das coisas emocionais

E se uma luminária começasse a conversar com você no saguão do hotel, e oferecesse presentes, a partir de suas informações pessoais? Pode ser interessante, mas também pode ser muito estranho. Yihyun Lim, diretora do Design Lab do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), falou ontem[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *