inova.jor

inova.jor

Coronavírus expõe limites do modelo do Vale do Silício

Vale do Silício não conseguiu dar resposta satisfatória ao coronavírus / Pixabay
Vale do Silício não conseguiu dar resposta satisfatória ao coronavírus / Pixabay

O Vale do Silício, nos Estados Unidos, concentra gigantes da tecnologia e o mais rico ecossistema de inovação do mundo.

A crise causada pelo novo coronavírus, no entanto, mostrou os limites do modelo de inovação da região, segundo a Technology Review:

“Somos ótimos em criar soluções brilhantes, principalmente orientadas por software, que tornam nossa vida mais conveniente de várias maneiras. Mas temos muito menos êxito em reinventar a assistência médica, repensar a educação, tornar a produção e a distribuição de alimentos mais eficientes e, em geral, aplicar nosso conhecimento técnico aos maiores setores da economia.”

O investidor Marc Andreessen, cuja Netscape foi responsável por tornar a web popular na década de 1990, lamentou a incapacidade atual dos Estados Unidos de fabricar e construir:

“Esperamos que nossos cientistas inventem tratamentos e uma vacina, mas talvez não tenhamos as fábricas necessárias para escalar sua produção. E, ainda assim, veremos se podemos implantar terapias ou uma vacina com rapidez necessária – os cientistas levaram cinco anos para obter a aprovação de testes regulatórios para a nova vacina contra o ebola, após o surto de 2014, ao custo de muitas vidas.”

Pesa ainda na avaliação do Vale do Silício o caso da Theranos, em que uma startup da região prometeu revolucionar o mercado de saúde, com resultados desastrosos.

Indústria e pesquisa

No Brasil, pesquisadores trabalham em dois projetos de vacinas contra a covid-19, na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e na Universidade de São Paulo (USP). Nossos cientistas estão engajados no esforço mundial de combate ao coronavírus.

Mas a crise chegou por aqui num momento em que o investimento em ciências está em baixa e em que a indústria enfrenta dificuldades que começaram bem antes da pandemia.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Elevador: thyssenkrupp aplica inteligência artificial à manutenção de elevadores / Divulgação

Conheça o elevador que ‘fala’ com o técnico e antecipa falhas

Num mundo cada vez mais conectado, são crescentes as oportunidades de aplicação de análise de dados em projetos de engenharia. Um exemplo disso são os elevadores da thyssenkrupp, que, por meio do MAX, solução de manutenção preditiva que utiliza recursos de inteligência artificial e IoT, tornam as viagens das pessoas[…]

Leia mais »
Centro de São Paulo vai trabalhar em colaboração com outros 10 centros distribuídos pelo mundo / Divulgação

Capgemini cria centro de excelência para digital e nuvem

A Capgemini, consultoria francesa de tecnologia, abriu um centro de excelência para digital e nuvem em São Paulo. Com cerca de 120 profissionais, a equipe brasileira vai trabalhar em colaboração com outros 10 centros de inovação que a companhia mantém pelo mundo. O centro conta com uma infraestrutura para realizar provas[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *