inova.jor

inova.jor

Decisões sobre nuvem devem integrar tecnologia e negócios

Executivos de grandes companhias reuniram-se na segunda edição da mesa-redonda virtual Segurança e Eficiência na Nuvem, realizado em 18 de junho pelo inova.jor, com apoio da Unisys e da Microsoft.

Entre os pontos levantados, alguma certezas se firmaram, como a consolidação do home office, e outras discussões se aprofundaram em torno dos melhores procedimentos na jornada rumo à computação em nuvem.

Tatiana Medina, CIO da Klabin, relatou a experiência da empresa, que desenvolve atividades distintas como a operação industrial e o manejo florestal.

Ela destacou que a nuvem é base da Indústria 4.0. “Quem nos dá a capacidade de processamento e armazenamento necessária é a nuvem”, diz Tatiana.

Já a administração da floresta exige a combinação de recursos tecnológicos como rádio, drones e satélites para superar as carências dos serviços de telecomunicações em áreas remotas.

E, em tempos de pandemia, tornaram-se essenciais investimentos em programas de saúde para funcionários que não podem deixar o campo.

Ricardo Guerra, CIO do Itaú Unibanco, destacou a necessidade de integração entre tecnologia e negócios nas decisões sobre nuvem.

“Já tomamos a decisão de ir para a nuvem pública”, explica. “Não faz parte do nosso negócio montar infraestrutura.”

Até 2018 o Banco Central não permitia o uso de nuvens públicas. Ele observa, ainda, que a migração sempre é movida por um propósito, por um problema a ser resolvido.

Guilherme Artuso, cloud consulting director da Unisys Latin America, também reforçou que a decisão não se encontra somente na área de tecnologia.

É preciso saber que a migração vai mudar muito a forma como as pessoas costumam trabalhar. “Além disso, tem de ficar muito claro qual o retorno que se espera, seja propriamente financeiro, seja por meio de ganhos de produtividade.”

Metodologia de migração

Para Renato Guimarães, cloud solution architect leader para a América Latina da Microsoft, entender o negócio é o ponto de partida para qualquer migração para a nuvem.

“Hoje temos uma metodologia se chama cloud adoption framework e consiste em educar cada vez mais nossos parceiros”, conta. “E o principal ponto dessa tecnologia começa com um bom entendimento do negócio. Depois disso há uma sequência de fases que, dependendo da prioridade do negócio e seus objetivos, leva à escolha de um determinado processo.”

Carlos Abramo, cloud solution architect leader da Microsoft, lembrou da necessidade de preparação das pessoas.

“A empresa tem um propósito e uma tecnologia, mas como ela consegue preparar seu time operacional para trabalhar melhor com essas ferramentas e tecnologias?”, questiona.

“Se esse ponto de cultura não for levado em consideração, a tecnologia pode ser a melhor, mas o projeto não decola.”  

Segurança na nuvem

Maurício Cataneo, presidente da Unisys Brasil e CFO para América Latina, recomendou cuidado com a segurança cibernética:

“O número de ataques cresceu de forma absurda durante a pandemia porque não temos o nível de proteção corporativa em nossas redes de casa. Estamos acessando e concorrendo com infraestrutura caseira para testar nossas aplicações, servidores corporativos e sistemas de alta complexidade. O risco está aí.”

O webinar teve moderação do jornalista Renato Cruz.

Inscreva-se no canal do inova.jor no YouTube.

Publicações relacionadas

Taxa de empreendedorismo é a segunda maior da história / Sebrae-SP

Cai a taxa de novos empreendedores no Brasil

No ano passado, havia 52 milhões de empreendedores no país, o que equivale a dois a cada cinco brasileiros com idade de 18 a 64 anos, segundo a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor, divulgada pelo Sebrae. A taxa chegou a 38%, sendo a segunda melhor desde 2002, quando o índice começou[…]

Leia mais »
Setor brasileiro de telecomunicações depende menos das grandes operadoras / Oleg Zaytsev/Creative Commons

‘Cenário da competição nas telecomunicações começa a mudar’

O mercado brasileiro de telecomunicações está menos dependente dos grandes players. Operadoras competitivas têm conseguido criar alternativas tanto no acesso e na rede de transporte quanto em conexões internacionais. A participação de mercado das empresas competitivas chegou a 18,8% em agosto deste ano. No fim de 2015, era de 14%.[…]

Leia mais »