inova.jor

inova.jor

Logística brasileira precisa de um choque de eficiência

A logística brasileira precisa se digitalizar / Pixabay
A logística brasileira precisa se digitalizar / Pixabay

Num país de tamanho continental, com centros urbanos congestionados, sempre esteve clara a noção de que havia espaço para mais eficiência na logística brasileira.

Contudo, a necessidade de modernização e automação ficou ainda mais explícita com a pandemia de covid-19, que pressionou a logística de e-commerces, mercados, farmácias e de todos os outros negócios essenciais para a população.

Com aumento da demanda e operações limitadas pelas necessidades de distanciamento social, muitos varejistas sofreram críticas pelo não cumprimento de prazos de entrega ou pelo desabastecimento pontual de determinados produtos, recebendo o impacto em seus canais de comunicação com o consumidor e em sua reputação.

E-commerce

Vanderlei Ferreira, da Zebra / Divulgação
Vanderlei Ferreira, da Zebra / Divulgação

Contudo, se engana quem imagina que varejistas voltarão aos velhos moldes após a reabertura.

Em primeiro lugar porque o hábito de comprar online deve se manter, já que muita gente que era resistente ao e-commerce foi forçada a experimentar o modelo e não só se adaptou, como gostou da conveniência. 

Em segundo lugar, especialistas relatam que, de tempos em tempos, a humanidade passará por experiências semelhantes a que estamos enfrentando nos dias de hoje com o coronavírus e o isolamento será sempre a melhor medida de segurança.

Com isso, as compras novamente estarão limitadas ao digital.

Apesar de os estudos e testes estarem avançando, a própria vacina contra a covid-19 ainda não tem uma data certa para chegar e, enquanto isso não acontecer, novos períodos de confinamento podem ser necessários.

A este cenário, adiciona-se o fato de que o consumidor está mais exigente e espera entregas cada vez mais rápidas e baratas.

Lojas que se destacarem neste quesito sairão na frente da concorrência.

Novo sistema logístico

Para isso, é imprescindível uma operação mais eficiente, baseada em dados, previsibilidade e na capacidade de saber onde uma mercadoria está em tempo real.

Isso é possível por meio de um combo infalível que conecta pessoas e objetos: produtos identificados por códigos RFID e equipes munidas por scanners manuais, smartphones e tablets corporativos.

Essas soluções de automação móveis garantem fluxos mais precisos ao oferecem todas as informações que o time precisa para fazer seu trabalho em uma tela, com um sistema operacional amigável e muito parecido com os de smartphones pessoais.

Com um sistema logístico baseado na visibilidade em tempo real, o trabalho de tomadores de decisão fica mais fácil e certeiro.

Ao receber um pedido, o varejista tem certeza de que aquele produto está em estoque, sabe sua localização exata e sua equipe precisa de pouco tempo e movimentos para despachar o pacote.

Outro importante benefício dessas soluções é contribuir para o distanciamento social: ao oferecer insumos para o planejamento e a execução de ações precisas, elas possibilitam distribuir melhor a equipe pelo espaço físico.

Além disso, a tecnologia de beacons, por exemplo, pode mandar alertas quando dois colegas estiverem mais próximos do que o recomendado.

Assim, a tendência das soluções de automação móveis, que já florescia antes da pandemia, deve ganhar ainda mais espaço nos próximos anos.

Com elas, varejistas não precisarão mais escolher entre estoques imensos ou enxutos, já que tomarão suas decisões baseadas em dados concretos, apresentados por um sistema inteligente, sobre a demanda de cada produto. 

Com fluxos e tomadas de decisão mais rápidos e assertivos, esses negócios estarão preparados para reagir rapidamente a situações inesperadas, garantindo atendimento de qualidade ininterrupto ao seu cliente.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O mercado de cidades inteligentes é um dos focos da Atech para diversificar operações / Rafael Carvalho/Creative Commons

Atech, da Embraer, aposta em mercado corporativo e cidades

Criada em 1997 para desenvolver software para o Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam), a Atech pertence hoje ao Grupo Embraer. Em 2011, a Embraer Defesa & Segurança comprou 50% da Atech por R$ 36 milhões e, dois anos depois, adquiriu o restante da empresa. Atualmente, a empresa busca diversificar sua[…]

Leia mais »
Renato Cruz, Maria Del Pilar Muñoz, Daniel Accioly Rosa e Daniel Gonzales conversam no Start Eldorado / Divulgação

Start Eldorado: Quais são os benefícios da digitalização

Como está a digitalização dos setores químico e farmacêutico? Na quarta-feira (25/4), conversei sobre esse tema com Maria Del Pilar Muñoz, vice-presidente de Sustentabilidade e Novos Negócios da Eurofarma, e Daniel Accioly Rosa, gerente de Agricultura Digital da Yara Brasil, no programa Start Eldorado. Você pode ouvir o programa abaixo: Quando[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *