inova.jor

inova.jor

Como as fake news usam a estratégia de dividir para conquistar

Fake news fomentam polarização da sociedade para obter resultados políticos / Unsplash
Fake news fomentam polarização da sociedade para obter resultados políticos / Unsplash

A experiência dos Estados Unidos nas eleições presidenciais de 2016 mostram como campanhas de notícias falsas fomentaram temas polêmicos para exacerbar a divisão na opinião pública daquele país e tirar proveito disso.

Artigo publicado na New York Review of Books, destacou que, em 2016, 126 milhões de norte-americanos viram no Facebook material gerado por agentes russos.

Naquele período, segundo Philip N. Howard, professor de Oxford, eleitores distribuíram no Twitter praticamente de fake news e de notícias produzidas por profissionais.

Agentes russos criaram centenas de contas que se passavam por norte-americanos e simulavam interesses e hobbies, além de obedecer a horários de publicação e ao calendário de feriados dos Estados Unidos.

Eles também operavam a partir de servidores dos EUA, para dificultar sua identificação.

Dividir e conquistar

Os agentes russos também criaram grupos com centenas de milhares de membros, que refletiam temas que causam polarização, como raça e religião.

Ben Buchanan, professor da Universidade de Georgetown, enumerou alguns nomes de grupos criados por agentes russos:

  • Fronteiras Seguras,
  • Blacktivist (contração de ativista negro),
  • Mulçumanos Unidos da América,
  • Exército de Jesus, e
  • Coração do Texas.

Os gerentes da operação instruíram os agentes a “usar qualquer oportunidade para criticar Hillary e o resto (com exceção de Sanders e Trump – nós os apoiamos)”.

Os russos também compraram propaganda nas mídias sociais, incluindo pelo menos 3,5 mil anúncios no Facebook.

Para isso, eles roubaram identidades de vários cidadãos norte-americanos, para que não fosse descoberta a operação ilegal.

Além de interferir no resultado das eleições, o objetivo era fomentar a divisão da sociedade norte-americana.

Por exemplo, um dos grupos controlados pelos russos criou uma manifestação chamada “Salve o conhecimento islâmico” em Houston, enquanto outro organizou uma resposta chamada “Pare com a islamização do Texas”.

Grupos governamentais

O professor Howard, de Oxford, identificou 70 governos que têm equipes de desinformação para as redes sociais, com o objetivo de espalhar mentiras ou esconder a verdade.

A China emprega 2 milhões de pessoas para produzir 448 milhões de publicações por ano e o Vietnã treinou 10 mil estudantes para defender o governo nas redes.

O ex-presidente mexicano Enrique Peña Nieto tinha 75 mil contas de robôs para promovê-lo no Twitter.

Na Rússia, quase metade das publicações no Twitter são feitas por robôs.

Dessa forma, as notícias falsas normalmente fazem parte de campanhas com objetivos específicos, que tentam passar por movimento espontâneo.

Para o professor Howard, as fake news um sintoma da doença que é o “monopólio da informação” nas mãos de poucos gigantes do setor de tecnologia.

Por fim, o artigo do New York Review of Books teve como base três livros:

  • Active Measures: The Secret History of Disinformation and Political Warfare (Farrar, Straus and Giroux), de Thomas Rid;
  • The Hacker and the State: Cyber Attacks and the New Normal of Geopolitics (Harvard University Press), de Ben Buchanan; e
  • Lie Machines: How to Save Democracy from Troll Armies, Deceitful Robots, Junk News Operations, and Political Operatives (Yale University Press), de Philip N. Howard.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Internet: Interfaces de voz, como o Echo, da Amazon, é uma das principais tendências / Rob Albright/Creative Commons

O que você precisa saber sobre o futuro da internet

O Internet Trends, relatório anual elaborado por Mary Meeker, foi apresentado nesta semana durante o Code Conference, evento da Vox Media. O estudo, que apresenta as tendências do mercado de tecnologia, é um dos mais aguardados pelos executivos do Vale do Silício. Mary lançou seu primeiro relatório Internet Trends em 1995, como analista do[…]

Leia mais »
Cintia Barcelos reconhece o desafio de aumentar a representatividade feminina em exatas / Divulgação

IBM Brasil tem sua primeira mulher ‘distinguished engineer’

Cintia Barcelos conquistou o título de distinguished engineer (engenheira distinta) na IBM Brasil. Funcionária da empresa há 24 anos, é a primeira mulher na IBM América Latina a ocupar essa função. Além do vasto conhecimento técnico, o título reconhece a capacidade de influenciar o desenvolvimento de produtos da empresa, de[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *