inova.jor

inova.jor

Como funciona o Sirius, acelerador de partículas brasileiro

O Sirius é um acelerador de partículas brasileiro, instalado em Campinas (SP), no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM).

Sua primeira estação entrou em funcionamento neste ano, para pesquisa sobre o novo coronavírus.

Antônio José Roque, diretor do projeto Sirius e diretor-geral do CNPEM, conversou sobre Sirius com o jornalista Renato Cruz.

O vídeo faz parte da série Quem Inova, disponível no canal do inova.jor do YouTube.

Aplicações do Sirius

O acelerador de elétrons pode ser aplicado a estudos em várias áreas, desde materiais para construção até saúde.

“Sendo um equipamento que permite entender a estrutura mais fundamental de qualquer tipo de material, tem uma aplicação extremamente ampla”, explica Antônio José Roque, da CNPEM.

Para saber mais, assista ao vídeo da entrevista, e assine o canal do inova.jor no YouTube.

Publicações relacionadas

Retrospectiva: Muschellack (e.) fala sobre indústria 4.0 / Gabriel Rodrigues

Por que é importante para o Brasil aderir à indústria 4.0

Aderir à quarta revolução industrial é essencial para que o Brasil garanta competitividade no mercado internacional. Conversei com Erich Muschellack, superintendente geral da Fundação Certi, sobre indústria 4.0, quinta geração das comunicações móveis (5G) e empreendedorismo. Investimento “Tirando-se algumas empresas que realmente despontam nessa área, em geral, as indústrias brasileiras[…]

Leia mais »
Dados ajudam empresas de saúde a reduzir impacto da pandemia / Pixabay

Dados são aliados em meio à crise do coronavírus

À medida que a pandemia de coronavírus continua a se espalhar, empresas e órgãos do setor público enfrentam o grande desafio de proteger a saúde de seus funcionários e, ao mesmo tempo, manter a eficácia operacional de seus programas de prevenção e atendimento. Vou me ater aqui, principalmente, às entidades[…]

Leia mais »