inova.jor

inova.jor

Como funciona o Sirius, acelerador de partículas brasileiro

O Sirius é um acelerador de partículas brasileiro, instalado em Campinas (SP), no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM).

Sua primeira estação entrou em funcionamento neste ano, para pesquisa sobre o novo coronavírus.

Antônio José Roque, diretor do projeto Sirius e diretor-geral do CNPEM, conversou sobre Sirius com o jornalista Renato Cruz.

O vídeo faz parte da série Quem Inova, disponível no canal do inova.jor do YouTube.

Aplicações do Sirius

O acelerador de elétrons pode ser aplicado a estudos em várias áreas, desde materiais para construção até saúde.

“Sendo um equipamento que permite entender a estrutura mais fundamental de qualquer tipo de material, tem uma aplicação extremamente ampla”, explica Antônio José Roque, da CNPEM.

Para saber mais, assista ao vídeo da entrevista, e assine o canal do inova.jor no YouTube.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

'Os estudantes estão desestimulados', afirma Eve Psalti, da Microsoft / Divulgação

‘As escolas formam estudantes para as carreiras erradas’

A tecnologia é uma ferramenta importante para recuperar o interesse dos estudantes e atualizar a escola para que ela volte a cumprir o seu papel. Mas somente tecnologia não basta. Nascida na Grécia, Eve Psalti, diretora global de programas educacionais da Microsoft, participou na semana passada do evento Bett Educar, em São[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *