inova.jor

inova.jor

Como funciona o Sirius, acelerador de partículas brasileiro

O Sirius é um acelerador de partículas brasileiro, instalado em Campinas (SP), no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM).

Sua primeira estação entrou em funcionamento neste ano, para pesquisa sobre o novo coronavírus.

Antônio José Roque, diretor do projeto Sirius e diretor-geral do CNPEM, conversou sobre Sirius com o jornalista Renato Cruz.

O vídeo faz parte da série Quem Inova, disponível no canal do inova.jor do YouTube.

Aplicações do Sirius

O acelerador de elétrons pode ser aplicado a estudos em várias áreas, desde materiais para construção até saúde.

“Sendo um equipamento que permite entender a estrutura mais fundamental de qualquer tipo de material, tem uma aplicação extremamente ampla”, explica Antônio José Roque, da CNPEM.

Para saber mais, assista ao vídeo da entrevista, e assine o canal do inova.jor no YouTube.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Ferreira (e.) e Tomé (c.) falam sobre startups no agronegócio/ inova.jor

Startups apoiam o agronegócio contra o coronavírus

Uma iniciativa da Bayer, Sicredi e AgTech Garage oferece gratuitamente serviços de startups a produtores rurais, para combater os efeitos da pandemia do novo coronavírus. Dirceu Ferreira Junior, diretor do Centro de Expertise em Agricultura Tropical da Bayer, e José Tomé, CEO da AgTech Garage, conversaram sobre o tema com[…]

Leia mais »
Dietmar Lilie, da Embraco, registrou 121 patentes em 36 anos de carreira / Divulgação

Embraco: ‘Números frios podem matar boas ideias’

Dietmar Lilie é pesquisador mestre da Embraco. Aos 56 anos, ocupa a posição técnica mais alta na empresa. Em 36 anos de carreira, obteve 121 patentes, de um total de 1.700 concedidas à Embraco. O pesquisador personifica a importância dada pela Embraco à inovação. “Sempre o que me moveu foi[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *