inova.jor

inova.jor

‘Feels good man’ retrata memeficação da política

Matt Furie criou o sapo Pepe, que virou meme político / Reprodução
Matt Furie criou o sapo Pepe, que virou meme político / Reprodução

O conceito de meme foi criado pelo biólogo Richard Dawkins no livro O gene egoísta, de 1976.

Ele escreveu que os genes querem se perpetuar e os seres vivos foram a forma que os genes encontraram para atingir esse objetivo.

Nesse livro, Dawkins também falou sobre os memes, que são os equivalentes culturais dos genes, ideias que sofrem mutações, que se adaptam e se proliferam pela sociedade.

Isso foi muito antes da criação da web, e de surgir o meme como conhecemos hoje.

O sapo Pepe, retratado no documentário Feels good man, dirigido por Arthur Jones, mostra muito bem esse processo.

O filme faz parte da seleção da Mostra de Cinema de São Paulo, e pode ser assistido online.

Pepe, símbolo de ódio

Pepe foi criado pelo quadrinhista Matt Furie como integrante de um grupo de jovens que acabaram de sair da universidade, mas, de alguma forma, quer adiar a entrada na vida adulta.

A frase que deu título ao documentário – “feels good man” – saiu de uma página que o autor publicou no MySpace, em que o sapo baixa a calça até o tornozelo para urinar e comenta “como é bom cara”.

Em sua origem, Pepe é um cara pacífico, divertido, chapado, quase hippie.

Mas ele acabou adotado como mascote nos fóruns do 4chan, dando origem a inúmeros variações e se transformando em meme.

Um dos usuários mostrados no documentário representa de quase caricatural o público do 4chan: um jovem que vive no porão da casa dos pais, conectado o tempo todo, criando memes e desprezando os ‘normies’ ou normais (mulheres em geral e homem que conseguem se relacionar com mulheres).

Nos últimos anos, os memes têm sido usados para normalizar discurso de ódio.

Mensagens que seriam repelidas pela maioria das pessoas são transformadas em piada, o que as torna mais palatáveis.

Quando o meme Pepe chegou à cultura dominante, sendo compartilhado nas redes sociais pelas cantoras Katy Perry e Nicki Minaj, a turma do 4chan reagiu ligando-o a discursos extremistas, com memes retratando-o como neonazista ou terrorista.

Por causa disso, o sapo Pepe foi classificado como símbolo de ódio pela Liga Antidifamação (ADL, na sigla em inglês).

Memeficação da política

Essa virada fez com que Pepe fosse adotado pela direita alternativa dos EUA, também conhecida por alt-right.

Durante a campanha, ele chegou a ser tuitado pelo candidato Donald Trump, trazendo um meme criado nas bordas da internet para o centro da política norte-americana.

“Elegemos um meme como presidente”, comemoraram muitos usuários do 4chan após a vitória.

Além de contar essa história, o documentário retrata o esforço de Matt Furie para retomar o controle sobre o personagem.

Publicações relacionadas

Festival Curta Brasília abre inscrições para sua 8ª edição

O Festival Curta Brasília abriu inscrições para que realizadores inscrevam seus curtas na oitava edição da mostra. O evento, que será realizado em dezembro de 2019,  agrega mostras de curtas-metragens nacionais e internacionais. Além disso, conta com espaço dedicado a experiências em realidade virtual, debates, mercado de economia criativa, intervenções[…]

Leia mais »
Quanto mais novo é o espectador, menos tempo ele dedica à TV / Annelogue/Creative Commons

Quanto tempo você gasta assistindo à TV?

Os hábitos dos espectadores estão mudando mudado. Uma pesquisa da Nielsen mostrou que, apesar de a TV ainda ser o meio dominante nos Estados Unidos, quanto mais novo é o espectador, menos horas ele dedica ao aparelho. Um norte-americano gasta, em média, 35h26 por semana em frente à televisão. No grupo que tem[…]

Leia mais »