inova.jor

inova.jor

5G impulsiona produtividade com internet das coisas

Palazzi (e.) e Scheffer (c.) falam sobre 5G / inova.jor
Palazzi (e.) e Scheffer (c.) falam sobre 5G / inova.jor

A quinta geração das comunicações móveis (5G) deve impulsionar aplicações de internet das coisas (IoT, na sigla em inglês).

Essas aplicações, combinadas à oportunidade de se criar redes privadas de 5G, devem trazer mais competitividade às empresas brasileiras.

José Palazzi, diretor sênior de Vendas da Qualcomm para a América Latina, e Marcos Scheffer, vice-presidente de redes e serviços gerenciados da Ericsson Brasil e Cone Sul, conversam sobre esses temas no inova.jor cast.

Este é o terceiro de uma série de três episódios que tratam do 5G, com apoio da Qualcomm.

O podcast é publicado semanalmente no Spotify,  DeezeriTunes e SoundCloud.

Verticais no 5G

José Palazzi, da Qualcomm, destacou vantagens da aplicação da tecnologia à manufatura.

“O 5G permite que as indústrias sejam mais competitivas, porque melhora não somente os processos, mas a aquisição das matérias-primas e obviamente a distribuição dessas matérias-primas em função da demanda, fazendo com que o estoque de produtos acabados seja minimizado” explica.

Marcos Scheffer, da Ericsson, exemplificou com uma aplicação na agricultura, chamada “see and spray” (ver e borrifar).

“A prática geral era jogar defensivos agrícolas em tudo. Isso demandava um dinheiro violento e diminuía a competitividade. Agora não. É possível captar uma imagem, jogá-la para a nuvem, processar lá na nuvem e identificar que aquilo é uma praga. A informação volta para o trator, tudo em questão de milissegundos e dá tempo de jogar defensivo só naquela área”, diz.

Para saber mais, ouça o podcast.

Publicações relacionadas

Apesar de pouco usados, vários indicadores de qualidade ainda tratam de telefones públicos / Secom UnB/Creative Commons

Indicadores de qualidade precisam ser revistos

Os atuais indicadores que medem a qualidade dos serviços de telecomunicações, definidos pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), podem ser considerados, ao mesmo tempo, excessivos e insuficientes. Excessivos porque geram um alto custo para as operadoras, que precisam manter e reportar mais de uma centena deles. Insuficientes porque não são[…]

Leia mais »
A HID Global conversa com governos estaduais para colocar documento no smartphone no Brasil / Nicolas Nova/Creative Commons

E se os seus documentos também fossem para o smartphone?

Andar com a carteira no bolso parece algo cada vez mais raro no futuro. Com o avanço dos serviços de pagamento via celular, o acessório acabaria apenas como um depósito de documentos pessoais. Mas, se depender da HID Global, não servirá nem para isso. A empresa quer implementar em todo o mundo[…]

Leia mais »