inova.jor

inova.jor

Tecnologia de ponta faz a diferença no setor de energia

Avanço da tecnologia pode beneficiar o setor de energia / Pixabay
Avanço da tecnologia pode beneficiar o setor de energia / Pixabay

Até mesmo os setores mais tradicionais, como é o caso da energia, podem ser beneficiados pelo avanço da tecnologia.

A hiperconectividade e todas as soluções que foram desenvolvidas a partir dela permitiram às empresas agregar muito mais inteligência aos seus serviços.

Tecnologias disponíveis

Gabriel Vibert, da GreenYellow / Divulgação

Nesse contexto, a captação e a análise de dados vêm ajudando o mercado no desafio de entender melhor as necessidades dos clientes e de encontrar saídas para atendê-las.

No caso de atividades de monitoramento do consumo de energia de uma empresa, especificamente, ferramentas com base em internet das coisas (IoT) e analytics são empregadas pelas companhias para análises em tempo real de informações como temperatura e gasto de energia de equipamentos.

Com isso, é possível acompanhar um número gigantesco de variáveis e, ainda, conseguir dar sequência a ações.

Vejo a utilização da inteligência artificial, por sua vez, como uma tendência no segmento, pois com ela consegue-se obter dois trunfos importantes: previsibilidade e melhores condições para a tomada de decisão.

Acredito que, com a chegada do 5G, teremos ainda mais evoluções pela frente, pois a comunicação M2M (machine to machine) alcançará níveis nunca vistos.

Utilização no setor de energia

As empresas do setor de energia, no entanto, não devem encarar a adoção de tecnologias de ponta unicamente como uma obrigação, apenas com o objetivo de mostrar que estão atualizadas com o que há de mais moderno.

Isso porque, se a aplicação da ferramenta não estiver baseada em estudos concretos, o investimento realizado pode não se transformar em receita no futuro.

Pelo contrário, a operacionalização dessas ferramentas sem o correto tratamento dos dados pode gerar grande dor de cabeça e perda do valor investido.

Ou seja, a tecnologia precisa ser vista como um aliado estratégico.

Entre os aspectos que podem ser contemplados para saber se vale a pena adotar uma solução tecnológica, vale a pena avaliar se ela consegue, de forma clara, ajudar sua empresa oferecer mais velocidade de análise dos dados do cliente ou aumentar a capacidade comparações entre informações, a fim de dar respostas mais precisas.

Decidir pela opção correta é o ponto-chave.

Isso significa que a tecnologia representa uma grande vantagem competitiva no nosso mercado, mas – principalmente quando falamos do setor energético, que é de ordem primordial – antes dela, vem o profundo conhecimento do negócio e do valor que o serviço em questão oferece ao cliente.      

  • Gabriel Vibert é diretor de Estratégia e Inovação na GreenYellow

Publicações relacionadas

Regulamentação define que investidor-anjo não será considerado sócio / Andrew Eland

Como foi regulamentada a atividade de investidor-anjo no Brasil

Recentemente publicada, a Lei Complementar nº. 155/2016 trouxe uma série de novidades, como a ampliação do limite da receita bruta anual, para fins de enquadramento como empresa de pequeno de porte, aplicando-se, a partir de 1º de janeiro de 2018, o teto de R$ 4,8 milhões; e, em relação ao microempreendedor[…]

Leia mais »
Ossamu (e.) e Salvio (c.) falam sobre experiência do cliente / inova.jor

Como a digitalização melhora a experiência do cliente

Ferramentas de análise de dados e inteligência artificial permitem identificar o contexto do cliente, melhorando as ofertas personalizadas. Esse foi um dos temas da conversa com Paulo Ossamu, diretor de Consultoria em Tecnologia da Accenture, e Eduardo Salvio, head de Google Cloud Enterprise, no inova.jor cast. O podcast é publicado[…]

Leia mais »