inova.jor

inova.jor

Como está a adoção de nuvem no agronegócio

O agronegócio tem investido em computação em nuvem, em seu processo de digitalização.

Kelvin Queiroz, analista de alianças e parcerias da Siagri, e Bruno Custodio, gerente de vendas de nuvem da Sky.One, conversaram sobre o tema com o jornalista Renato Cruz no inova.jor cast.

O podcast é publicado semanalmente no Spotify, Deezer,  Apple Podcasts e SoundCloud.

Este episódio também está disponível como vídeo no canal do inova.jor no YouTube.

Transformação digital

A pandemia acelerou a digitalização do agronegócio.

“Vemos o crescimento do agronegócio, mais um ano de crescimento nesta década. E isso indica muito um trabalho de informatização do agro. Além do mais, a pandemia acelerou. As empresas precisavam organizar sua postura, colocar na pauta questões relacionadas à modernização. A modernização do agro passa pela nuvem”, afirma Bruno Custodio, da Sky.One.

Esse processo torna as empresas mais competitivas.

“Como especialistas, temos de estar cada vez mais preparados, investindo em novas ideias, para poder entregar soluções que vão otimizar os processos de negócios dos clientes, para que eles tenham a melhor experiência possível”, explica Kelvin Queiroz, da Siagri.

Para saber mais, ouça o podcast ou assista ao vídeo.

Inscreva-se no canal do inova.jor no YouTube.

Publicações relacionadas

Com a pandemia, a tecnologia se tornou essencial para os eventos / Renato Cruz/inova.jor

Confira oito motivos para investir em eventos online e híbridos

O mercado de eventos já passava por transformações intensas antes de a covid-19 aparecer, mas a pandemia atingiu amplamente o setor (em todas as suas ramificações) antecipando uma série de processos. Mudar e se adaptar faz parte da essência da profissão do produtor de eventos e nesse momento a transformação[…]

Leia mais »
Paulo Gallindo, da Brasscom, prevê que empresas vão operar no vermelho com o fim da desoneração / Divulgação

Brasscom: ‘Fim da desoneração da folha desorganiza o setor de TI’

O governo federal decidiu ontem (29/3) acabar com as medidas de desoneração da folha de pagamentos, para conseguir atingir a meta de déficit primário definida para o orçamento deste ano. A decisão afeta o setor de tecnologia da informação (TI). As empresas do setor podiam optar por recolher 4,5% do faturamento[…]

Leia mais »