inova.jor

inova.jor

Conheça 5 tendências de armazenamento de dados para 2021

A demanda por armazenamento de dados aumento durante a pandemia / Unsplash
A demanda por armazenamento de dados aumento durante a pandemia / Unsplash

O ano que passou exigiu que os profissionais de tecnologia da informação (TI) no mundo inteiro se reinventassem e buscassem novos caminhos para atender às demandas urgentes das empresas e dos clientes.

Entre os termos mais utilizados está a reinvenção, e foi exatamente o que aconteceu na agenda dos líderes de empresas de todos os tamanhos.

A transformação digital deixou de ser algo a se pensar no médio e longo prazo e se tornou fundamental para a sobrevivência dos negócios.

Agora para 2021, é o momento de refletir as lições aprendidas em meio a tantos desafios, e mirar as tecnologias e tendências que poderão ajudar as empresas a manter e impulsionar os níveis de serviços nessa nova era.

E, já que os dados explodiram como nunca desde a adoção massiva do home office, compartilho abaixo o que podemos esperar do mercado de storage neste ano.

A experiência do cliente é o diferencial no mercado de storage como serviço

Paulo de Godoy, da Pure storage / Divulgação

O modelo de consumo as-a-service precisa justificar seu valor todos os dias.

Com as exigências cada vez mais sofisticadas, é comum o cliente corporativo se inscrever em um serviço e descontinuá-lo em seguida caso não atenda às suas necessidades.

Em 2021, garantir ao cliente uma experiência incrível com o serviço fará toda a diferença.

É bom ser responsivo e mas é melhor ainda comprovar a proatividade informando o cliente sobre um problema que você já corrigiu, por exemplo.

Além disso, neste ano virão à tona as diferenças entre as ofertas de produtos por assinatura, que funcionam como um aluguel, e as verdadeiras soluções como um serviço, que trazem um conceito totalmente focado na compra de um resultado a partir de acordos de nível de serviço.

O modelo as-a-service permite que o cliente comece aos poucos e aumente o investimento ao longo do tempo, de acordo com suas necessidades e possibilidades, e com total transparência de preços e KPIs.

A qualidade do atendimento e suporte inspiram a confiança que o cliente precisa para manter a fidelidade.

Contêineres e Kubernetes

Essa dupla se tornou o símbolo da eficiência empresarial, e chegaram ao mercado reinventando a maneira como construímos e executamos aplicativos.

Segundo o Gartner, em 2025 85% dos negócios globais estarão operando contêineres na produção, comparado com 35% em 2019.

Atualmente, os líderes digitais já estão familiarizados com esses blocos de construção dos microsserviços que permitem que as empresas operem com agilidade enquanto desenvolvem aplicativos altamente confiáveis.

Agilidade e resiliência são os principais benefícios das arquiteturas de microsserviço e potências digitais, como a Netflix, já conhecem essas vantagens competitivas.

Em 2021, os contêineres serão tão convencionais que não será mais a tecnologia que interessa.

Em vez disso, os holofotes estarão voltados para os novos aplicativos e touchpoints digitais, ou seja, os diferentes tipos de interação do cliente com a empresa desde a compra ao pós-venda.

Os CIOs irão notar que suas equipes têm um kit de soluções que permite realizar atividades a uma velocidade tão incrível que há 10 anos atrás era um sonho quase impossível.

Isso pode ser visto na prática em ações como aproveitar dados de streaming para oferecer uma experiência personalizada em tempo real para 10 milhões de cliente no mundo inteiro.

A unificação do armazenamento de file e objeto

Há 20 anos, o objeto era tratado como um repositório burro, mas altamente escalonável para armazenar dados, enquanto toda a inteligência, os metadados e as anotações eram mantidos separadamente em algum tipo de banco de dados.

Essa estrutura funcionou bem, até certo ponto, mas com o crescimento exponencial dos volumes de dados acabou se tornando inviável.

Cada vez mais, as empresas querem analisar seus dados sem a dor de cabeça de ter que manter dois sistemas diferentes alinhados.

Daí surge a demanda crescente para incorporar os metadados aos objetos de dados.

Afinal, não se trata apenas de desempenho, mas de ser inteligente.

O armazenamento de objetos é adequado para o crescimento das plataformas de nuvem e do ambiente de big data do mundo moderno.

Os clientes querem um sistema escalonável e ágil que possa lidar com os desafios dos dados modernos e não estruturados.

Embora o armazenamento de objetos esteja em uma fase de renascimento, ele não faz milagres.

Pode ser altamente escalonável, mas não pode alterar partes individuais, ou seja, abrir um objeto e gravar alguns bytes dele.

Para ter sucesso, um fluxo de trabalho completo do aplicativo precisa de mais de um armazenamento de objeto.

Embora o armazenamento rápido de arquivos não seja um conceito novo, colocar arquivo e objeto juntos na mesma plataforma é uma maneira criativa de evitar a construção de dois silos diferentes e adicionar mais complexidade.

Arquivo e objeto unificados são o futuro e em 2021 essa categoria se tornará predominante.

2021 será um ano base para a nuvem distribuída/edge

Embora as arquiteturas de nuvem distribuída e edge ainda estejam em grande parte na fase de planejamento e teste, 2021 será um ano fundamental para este modelo de nuvem emergente e vital, impulsionado pela rápida expansão em dispositivos 5G e IoT conectados, aumentos nos dados criados em edge e Kubernetes como o padrão para orquestração de aplicativos de microsserviços.

A nuvem distribuída é descrita pelo Gartner como o primeiro modelo de nuvem a incorporar a localização física dos serviços fornecidos pela nuvem.

Esse modelo permitirá que as empresas gerenciem componentes em várias nuvens, turbinando o potencial de implementação serviços mais personalizados de TI com o benefício adicional de extrair valor de fontes de dados em pontos de presença.

Setores como mineração, petróleo e gás e serviços públicos, com altos níveis de convergência de TI / OT e grandes quantidades de de dados criados ocorrendo em locais remotos e regionais – estarão entre os primeiros a obter valor da nuvem distribuída.

Sustentabilidade: a tendência da cadeia de suprimentos se torna essencial para os negócios

A sustentabilidade ganhou espaço e deixou de ser apenas uma tendência da cadeia de suprimentos global.

Em 2021, isso se tornará um imperativo para os negócios.

Em cada decisão de compra, as empresas levarão em consideração o impacto ambiental em suas metas.

A partir de agora, as empresas serão mais responsabilizadas por seus esforços.

No data center, a proliferação de geração, consumo e armazenamento de dados levou ao uso insustentável de energia.

De acordo com o Departamento de Energia dos EUA, os data centers consomem de dez a cinquenta vezes mais energia por andar em comparação com a média de um prédio comercial.

Isso torna a tecnologia de armazenamento sustentável uma ferramenta crucial para a redução da complexidade, despesas, pegada de carbono e desperdício de componentes da infraestrutura que os dados modernos exigem.

Simplesmente não se trata mais apenas de quão mais rápido podemos impulsionar a tecnologia, mas como podemos entregá-la de forma sustentável para as gerações que estão por vir.

Publicações relacionadas

O bueiro inteligente foi desenvolvido por uma startup chamada Net Sensors / Renato Cruz/inova.jor

Para que serve um bueiro inteligente

RIO O Porto Maravilha, no Rio de Janeiro, tem 28 bueiros inteligentes. Cada bueiro é formado por um coletor de lixo sólido e um sensor volumétrico, que avisa via rede celular quando o coletor está cheio. O bueiro inteligente melhora o ambiente, pois limita a quantidade de lixo sólido que vai para[…]

Leia mais »
Pires (e.) e Yanaga (c.) falam sobre iniciativas de apoio a PMEs / inova.jor

Quais são os desafios para digitalização de PMEs

A pandemia exigiu que pequenas e médias empresas (PMEs) acelerassem sua digitalização. Ricardo Yuanaga, diretor de vendas e soluções para comércio da Visa, e Eduardo Pires, head de varejo do Ebanx Beep, conversaram sobre iniciativas de apoio a PMEs com o jornalista Renato Cruz, no inova.jor cast. O podcast é[…]

Leia mais »